quinta-feira, 31 de julho de 2014

31600 metros

Foi o que corri no mês de julho, mais coisa menos coisa.
Dividindo este número pelos dias do mês, dá pouco mais do que 1km por dia. Até parece pouco. De facto, se só corresse 1km em cada dia era pouco. Já consigo percorrer essa distancia a correr sem problemas nenhuns, a não ser que seja a subir, aí não contem comigo.
Em agosto tenho de obter outra vez no mínimo os 31km. É que se eu não estabelecer estes objetivos eu não tiro o rabo do sofá!

quarta-feira, 30 de julho de 2014

Tás balalau?!

Já tinha ouvido este termo anteriormente, numa das minhas idas ao Porto Santo, mas não sabia o que significava.
Hoje graças à página do facebook GONNA fiquei a saber o que era.
Tal como eles dizem:
"Tás balalau?!" é a versão profeta* do "ahpaz tá-te dande?", que por sua vez é a versão madeirense de "estás parvo?"



*alcunha dada ao povo do Porto Santo.

Andar/corridinhas

Eu bem digo que agora andar na passadeira aborrece-me. Antes era capaz de passar lá uma hora a andar, agora não consigo.
Ontem fui para a serra com a famelga e aproveitei para correr um bocadinho. Estava a correr tudo muito bem até que surge a primeira subida. Morri. Tive de fazer a subida a passo.
Entre subidas, partes planas e descidas percorri 4km sem me aborrecer, e 2km foram a correr.
Se a serra fosse ali ao lado, era menina para fazer isto todos os dias.

segunda-feira, 28 de julho de 2014

Amizade, a quanto obrigas

Está manhã fui para a passadeira fazer a minha corridinha de 2km. Para muitos é fraquito, eu sei, mas para já não dá para mais. Talvez lá para 2015 já consiga correr 2,5km. A verdade é que também me aborrece correr na passadeira...
Depois da corrida ainda andei mais uns 5 minutos e, de seguida, banho.
Banho... Pois...
Naquele momento descobri que tinha faltado a água, mas vá lá que ao menos ainda tinha a água do depósito. Sempre deu para tomar banho, mas de água fria.
Não dava para esperar até a água voltar, tinha uma amiga super nervosa com uma entrevista de emprego à minha espera.
Pensava que ia ser pior.

domingo, 27 de julho de 2014

sábado, 26 de julho de 2014

Vir à Madeira e não comer uma dose de lapas

É como ir a Roma e não ver o Papa.

Assim sendo, raptei o meu namorado e fomos jantar ao Muralhas.
Aproveitei para, também, matar saudades de chicharros. Bem bons!

Editado para acrescentar esta fotografia:

Isto é uma dose de lapas.
Um belo de um molusco que pode ser frito, como os da fotografia, com um bocadinho de manteiga, alho e salsa. No final podem espremer o limão por cima. De comer e chorar por mais!

sexta-feira, 25 de julho de 2014

Saudades

Quando cheguei cá à ilha com o meu namorado e ao despedir-me dele no aeroporto (aqui vai cada um para sua casa) disse-lhe "até setembro!". Ele riu-se. A verdade é que eu já estava com ele pelos cabelos. Parecia que quem tinha passado a ter TPM era ele e não era algo que durava apenas um dia ou dois e depois passava.
Desde que cheguei (dia 16) que só tinha estado com ele duas vezes, sábado e terça. Ontem comecei a sentir saudades dele e quando agarrei no telemóvel para lhe dizer isso vi que tinha uma mensagem que dizia "tenho saudades tuas". 

Por vezes é bom ter estas férias um do outro.

Entretanto já matamos um bocadinho das saudades.

quinta-feira, 24 de julho de 2014

Para quem vai andar de avião

Se o vosso voo tiver um 7 mudem já isso. Acabei de ver o seguinte num comentário no facebook:

"o truque é o avião não ter um 7:
Voo da Air France que caiu no Atlântico AF 447
Voo desaparecido da Malaysia Airlines MH 370

Voo abatido na Ucrânia MH 17
Voo da Argélia Airlines AH 5017"

Pelo sim, pelo não, já fui ver se no meu voo de regresso existe algum 7 e não tem. Já me safei!

terça-feira, 22 de julho de 2014

Convívio

É tão bom estar por perto.
Normalmente passo a maior parte do ano longe da família e dos amigos. Por vezes juntam-se para comemorar o aniversário de alguém, ou apenas só porque sim, e eu sempre longe e cheia de vontade de estar por perto para também poder participar.
Hoje foi um desses dias. A minha mãe fez anos e reunimos cá em casa algumas pessoas da minha família.
E é tão bom participar nestes momentos.

segunda-feira, 21 de julho de 2014

Sol

Nada melhor do que começar o dia a apanhar meia hora de sol.

Passar os meses de verão na casa dos pais tem destas vantagens. Vou tentar aproveitar tudo ao máximo, nomeadamente:
- a comidinha da mãe. Tão bom não ter de estar sempre a pensar "o que faço para o almoço/jantar?"
- o jardim, que por acaso tem alguma privacidade, para apanhar uns banhos de sol pela manhã (se acordar cedo).
- a passadeira para andar/correr. Vamos lá ver se a preguiça não se instala.

domingo, 20 de julho de 2014

Que dia de tédio

Pelo menos até a minha mãe chegar a casa. A partir daí fui para a cozinha observá-la a preparar os doces para o seu dia de anos e conversar com ela. Tenho de aproveitar enquanto cá estou...
Fez dois bolos de chocolate, um cá para casa e outro para o trabalho, que vão ser recheados amanhã com creme de frutos vermelhos, ou será de morango? Nesta parte eu tinha saído da cozinha, por isso não sei bem. Também fez um salame de chocolate e pelo meio eu fiz um bolinho, daqueles de microondas que estão prontos em menos de 2 minutos, para comermos naquele momento. Porque isto de apenas ver bolos a sair do forno e só os podermos provar daqui a dois dias não dá com nada. Além disso é fim de semana, é tempo de comer coisas boas e de não fazer nenhum no que diz respeito ao exercício físico.
Amanhã quero ver se vou para a passadeira durante uns 30 minutos e em que 15 dos quais são passados a correr. A ver vamos o que aguento, gostava de aos poucos conseguir aumentar a minha resistência, que já esteve ligeiramente melhor...
No mês passado corri ao todo 29km e 490 metros (mais coisa menos coisa). Já estava a conseguir correr durante 20 minutos sem sentir que me ia saltar um pulmão, o que acho ótimo! Até que houve uma semana em que parei um bocadinho e é o suficiente para a preguiça se instalar.
Quero ver se este mês chego aos 30km. O que não deveria ser difícil, tendo em conta que aqui na casa dos meus pais tenho uma passadeira à disposição.
A ver vamos como corre, literalmente.

sábado, 19 de julho de 2014

Coisas de gaja...

... E que o gajo também podia em ter uma participação ativa.

Tudo começou no dia 4 de Julho. Ia de férias durante uma semana para fora de Portugal, ter uma vida de lorde (muita bom, quero mais!), e queria ter as unhas sempre arranjadinhas, sem ter de me preocupar se lasquei ou não o verniz. Como só pinto as unhas quando o rei faz anos, pois não tenho paciência para perder uma hora nisto e destruir todo o trabalho que tive em segundos, sou perita nisso, decidi deixar o assunto nas mãos de uma profissional e pintar com o famoso gelinho. Ou será gelito?
Duas semanas depois e com uma unha lascada - raios parta o raio do gelinho/gelito que não se aguentou quando tentei encaixar à pressa duas malas no porta bagagens, vá lá que foi na vinda para a minha terrinha e não durante a semana de vida de lorde - também achei que era melhor deixar nas mãos de uma profissional a parte da remoção do verniz, caso contrário corria o risco de ficar sem unhas. Tive uma péssima experiência no passado, mas pelos vistos agora que passei pelas mãos de alguém decente percebo que da primeira vez passei pelas mãos de uma carniceira.
Ficou combinado com a esteticista que depois de tirar o gelinho ia pintar com verniz dito normal, coisa que me arrependi mal cheguei ao carro e lixei uma unha (eu disse que era perita nisso...).

A parte do gajo entra aqui.
Sempre que pinto as unhas ele diz que gosta de ver e que eu devia fazer isso mais vezes.
Eu também gosto de ver, não gosto é da falta de jeito, ou será de prática?, que tenho e dos mil e um cuidados que tenho de ter para não estragar o trabalho todo que tive.
Por isso já lhe propus duas coisas, que o filho da mãe fez questão de rejeitar logo que ouviu:
- Pagar a manicure.
- Ser ELE a pintar as minhas unhas.

Só me resta aproveitar este entusiasmo em ver as unhas tão bonitinhas e encher-me de vontade e paciência, já para não falar de tempo, para tratar eu do assunto mais assiduamente.

sexta-feira, 18 de julho de 2014

Que nome dar a um blog?

A falta de imaginação levou-me a escolher este nome. 
O mais provável é que transforme este blog numa espécie de diário, daí o "Daily Journal". No entanto, se fizer com este blog o mesmo que fiz com os meus diários de pré-adolescente, o melhor é mudar já o nome para "Daily Joke".